domingo, 31 de maio de 2015

Espaços Verdes de Coimbra


Mata Nacional do Choupal

Desde há longos anos que esta Mata é um local de eleição para diversas atividades.
Nasceu da necessidade de quebrar a impetuosidade das cheias do Mondego.
Cantada nos fados de Coimbra desde sempre, é uma visita obrigatória para os amantes da Natureza.
Uma mata procurada por muitos para observar as mais variadas árvores, ouvir as aves, observar o Mondego e fazer exercício.
No Verão é um espaço fresco e agradável. Chega a ser movimentado mas sem termos uma sensação asfixiante. No centro, dispõe de um bar, um parque de merendas e campos de jogos, ideais para um dia bem passado junto da família ou dos amigos.
Infelizmente é de notar que a Câmara de Coimbra não tem vindo a prestar o devido cuidado com a manutenção dos acessos e equipamentos existentes no espaço, podendo apostar mais na informação pedagógica e aproveitamento deste belo espaço.
É considerado o maior “pulmão” da cidade de Coimbra. Oferece a quem passa por lá bem-estar, tranquilidade e harmonia.
“Do Choupal até à Lapa
  Foi Coimbra, os meus amores”, diz Zeca Afonso.  

 Na hiperligação presente, estão indicados os detalhes da Mata do Choupal, como a localização, os transportes, os contactos e os horários. 
http://turismodecoimbra.pt/company/mata-nacional-do-choupal/







Mariana Reis 2013118
Micaela Falcão 2013546

sábado, 23 de maio de 2015

Coimbra dos estudantes


“Oh Coimbra do Mondego
E dos amores que eu lá tive
Quem te não viu anda cego
Quem te não ama não vive”

Cidade de ruas estreitas, pátios, arcos e escadinhas, berço do nascimento de seis reis de Portugal e da primeira universidade do país. Aeminium dos romanos, Kulumriyya dos mouros, Coimbra dos portugueses. Erguida pela colina sobre o Mondego, a cidade divide-se: na alta, outrora os aristocratas e os clérigos, hoje os estudantes. Na baixa, o comércio, o artesanato e os bairros ribeirinhos populares.
Na cidade da tradição, a música das tunas e a praxe dos doutores marcam a História.
Aqui entramos caloiros. Em outubro, na nossa primeira latada, desfilamos pela praça com latas amarradas pelos pés, mãos e qualquer outro sítio que pareça boa ideia aos nossos doutores. Somos batizados no Mondego e recebemos palavras de confiança, apoio e amizade dos nossos padrinhos.
Durante todo o percurso académico, Coimbra tem imenso para dar. Os estudantes dividem-se pelas oito faculdades, onze departamentos e pelo instituto politécnico, contando com mais de dezasseis bibliotecas espalhadas pela cidade universitária.
É certo que estamos a falar da cidade do conhecimento, mas a vida do estudante de Coimbra não passa só pelos livros e pelas sebentas. Estudar em Coimbra também é entregar-se à tradição, viver novas experiências e divertir-se. Certamente não haverá um estudante que não tenha passado pela catedral da noite coimbrense, o bar da Associação Académica. Também não haverá uma alma que não se tenha desfeito por momentos, lavada em lágrimas de emoção ao abraçar os amigos ao som da balada da saudade. Muito menos haverá alguém que não sinta o encanto desta cidade.
Coimbra é tradição e com ela vem a praxe. Somos ensinados a respeitar, a conhecer e a criar ligações com os nossos colegas, sabendo que poderemos sempre encontrar nos nossos doutores o apoio necessário, em qualquer situação.
Terminado o ano de caloiro, envergamos a capa e a batina, sentimos o peso da responsabilidade de ser doutor e deixamos para trás a vida do primeiro ano na Serenata Monumental. É na Serenata que descobrimos o que Coimbra significa: magia. A magia do traje, a magia do espírito académico, da música das tunas e da saudade que já sentimos por esta cidade, Coimbra do Mondego, ainda antes de a deixarmos.
E é no fim do terceiro ano, na nossa última queima das fitas, que nos despedimos desta cidade. Quando chega esta altura parece que tudo se vive mais intensamente, porque sabemos que é o último tudo: o último cortejo, a última serenata, a última queima, o último adeus. E é aí que Coimbra tem mais encanto: na hora da despedida. Porque tudo o que se viveu fica connosco, mas enche as águas do rio e enche o rio que corre dos nossos olhos. Ficamos com os segredos, mas deixamos pela cidade a marca da nossa passagem. E são essas marcas que constroem o espírito académico tão único de Coimbra. Fazemos para sempre parte de Coimbra e levamo-la para sempre nos nossos corações
“Coimbra das canções
Coimbra que nos põe
Os nossos corações à luz
Coimbra dos doutores
Pra nós os seus cantores

A fonte dos amores és tu”


Diana Rodrigues
Miryam Mota




Infografia sobre o ensino superior em Coimbra










Diana Rodrigues
Miryam Mota

sexta-feira, 22 de maio de 2015

A Evolução das Tecnologias

As tecnologias têm registado uma evolução contínua ao longo dos tempos. Apesar das inúmeras vantagens, como um maior acesso e rapidez da informação e serviços, a criação de relações sociais no mundo global e o facto de se constituir como uma forma de entretenimento, estas grandes inovações apresentam bastantes perigos. 
São principalmente os jovens que se mostram vulneráveis a esta nova era tecnológica, uma vez que se tornam dependentes do uso dos meios tecnológicos.


"Mudam-se os tempos mudam-se os vontades", e é possível comprovar-se isso mesmo com este pequeno video que contrasta o antigamente com a actual era das tecnologias. Ora veja:


É importante destacar, após uma análise mais aprofundada do tema, os problemas de saúde que estão ligados a este avanço tecnológico. O uso excessivo destes equipamentos electrónicos aumenta a chance de problemas visão, como a miopia ou distúrbios visuais. Oiça o temos para si ! 

O quotidiano dos jovens é marcado pela constante presença das novas tecnologias. Criámos este álbum que reflecte isso mesmo. Dê uma vista de olhos! 


Fig.1: Infografia- Inquérito feito a jovens sobre o cyberbullying
                 
          

                     O valor das tecnologias

As novas tecnologias são as principais responsáveis pelo processo de mudança da sociedade. Sendo uma sociedade que vive do poder da informação, esta poderá ser muito discriminatória, entre países, entre empresas e/ou entre pessoas.
Nos nossos antepassados, o saber ler e interpretar textos, bem como efectuar cálculos matemáticos simples, era indispensável para o bem-estar da população. Porém, este cenário mudou e as necessidades de qualificações profissionais e académicas aumentaram consideravelmente.
As Tecnologias fazem parte integrante da nossa vida privada e profissional, isto é, com a utilização doméstica da informática, do computador pessoal, da Internet e do telemóvel, a vida do cidadão encontra-se facilitada.
As potencialidades das tecnologias da informação e comunicação são cada vez maiores, promovendo um novo paradigma de sociedade, que poderá facilitar a integração das pessoas com deficiências na vida ativa.
A verdade é que esta era tecnológica está a revolucionar a sociedade em vários campos, principalmente na forma de organização do trabalho que está em constante mudança, perdendo o espaço e o tempo a importância que até aí tinham. O trabalhador desde o início da industrialização que presta um serviço, num período de tempo pré-estabelecido para a realização de uma tarefa específica num local determinado pelo empregador. Atualmente, caminhamos para um tipo de organização do trabalho, em que se valoriza o produto final, existindo uma maior flexibilidade de tempo e de espaço. A invenção do computador, e da Internet contribui para a constante evolução da sociedade, melhorando a qualidade de vida do indivíduo.
A Sociedade da Informação utiliza como recurso as Tecnologias de Informação e da Comunicação. As novas tecnologias instaladas na sociedade e no trabalho originaram mudanças no campo social e individual, influenciando fortemente a vida humana, o tempo e o espaço. A sociedade tenderá a ser cada vez mais competitiva, criando mais riqueza e consequentemente qualidade de vida, tornando-se numa sociedade mais livre evitando a exclusão do cidadão. Para que isto seja possível e não se criem maiores diferenças sociais, as políticas educativas desempenham um papel fulcral.
O novo paradigma social tem como principal recurso a informação, a correta utilização, pesquisa, armazenamento e tratamento da informação e, deste modo, o cidadão tem de aprender a lidar com esta realidade. É necessário desenvolver as competências necessárias para compreender este novo processo. O indivíduo tem de ser capaz de acompanhar adequadamente as inovações para conseguir integrar-se na sociedade e no mercado de trabalho cada vez mais competitivo e exigente. Os aspetos positivos são visíveis, sendo um deles a melhoria da qualidade de vida.
A evolução das tecnologias digitais modifica tanto as relações na sociedade como as noções de espaço e tempo. Exemplo disso é o facto de conseguirmos obter informação de forma imediata. Essa realidade possibilita a ampliação do conhecimento e, ao mesmo tempo, cria outras preocupações como a possibilidade da diminuição da privacidade e o excesso de informação. No entanto, o grande desafio é a organização, coordenação e controlo das informações que são produto do mundo digital.        
 Estão a emergir novas profissões, está a surgir um novo sector, o quaternário relativo à informação. Uma era digital está prevista num futuro próximo, através das “auto estradas da informação e comunicação”.




                              Ana Manaia 2013131
Ana Santos 2013124
Andrea Henriques 2013112
Laura Tadeia 2013119


quinta-feira, 21 de maio de 2015

Um Olhar Sobre o Cinema





Hollywood é uma cidade pertencente a Los Angeles, Califórnia, e é uma das maiores referências da indústria cinematográfica mundial. O primeiro filme lá realizado surge por volta de 1910, ainda quando Hollywood era uma pequena vila.
Ao longo da sua história, Hollywood investiu bastante na evolução e valorização da sétima arte, e hoje em dia é inconcebível não falar em “cinema” quando nos referimos a esta cidade. Hollywood tem passado por grandes evoluções e mudanças que influenciaram o modo como se faz cinema, tal como se vê nesta cronologia, como a inovação de efeitos especiais em filmes como “Jurassic Park” e “Star Wars”, e a mudança, de analógico para digital, do material utilizado para projecção de imagem, como se vê neste slideshow.
Olhando para o caso português, são realizados anualmente festivais cuja temática é o cinema, como é o caso do Caminhos do Cinema Português, que tem lugar em Coimbra no mês de Novembro, e no qual contamos com a programação Selecção Ensaios.
Hollywood ocupa um lugar privilegiado na história do cinema mundial e é, de facto, um dos maiores ícones da sétima arte.


Universidade de Coimbra

Universidade de Coimbra – Alta e Sofia

A Universidade de Coimbra conta com 725 anos de história e nela se guardam recordações de gente de todo o mundo. Fique a saber mais sobre ela.

Por aqui passam estudantes de todo o país, de outros países e até de outros continentes. Por cantos e recantos se perdem, deixando-se render à magia dos fados que aqui se vivem. 


Em 22 de Junho de 2013, Coimbra deu-se a conhecer ao mundo com a Universidade de Coimbra(UC) -Alta e Sofia, que é hoje Património Mundial da Humanidade. 

A UNESCO reconheceu ao bem “Universidade de Coimbra, Alta e Sofia” três critérios que justificam a sua classificação como Património Mundial.

Critério II

“Testemunhar uma troca de influências consideráveis durante um dado período ou numa área cultural determinada, sobre o desenvolvimento da arquitetura, ou da tecnologia das artes monumentais, da planificação das cidades ou da criação de paisagens.”

A Universidade de Coimbra - Alta e Sofia, como centro de produção e transmissão do saber ao longo dos seus sete séculos de história, teve um papel fundamental e indispensável na construção do conhecimento deste mundo. Pelos descobrimentos portugueses chegaram até aqui influências culturais, artísticas e ideológicas de todo o mundo, refletindo-se na riqueza de conhecimento nas áreas das artes, das ciências, do direito, da arquitetura, do urbanismo e da paisagem. A receção e a difusão de conhecimento pelas quais a Universidade de Coimbra sempre foi responsável justificam a aplicação deste critério.





Critério IV

“Oferecer um exemplo excecional de um tipo de construção ou de conjunto arquitetónico ou tecnológico ou de paisagem ilustrando um ou vários períodos significativos da história humana.”

O conjunto arquitetónico Universidade – Alta e Sofia ilustra as diversas funções da instituição universitária (com origens na Idade Média) e vários períodos significativos da história de arquitetura e da arte portuguesa. O conjunto é resultado da agregação de uma longa génese cultural arquitetónica e nele são visíveis reformas nos campos ideológicos, pedagógicos e culturais, que se refletiram esteticamente nos diversos edifícios que o compõem.

Critério VI

“Estar direta ou materialmente associado a acontecimentos ou a tradições vivas, a ideias, a crenças, ou a obras artísticas e literárias com um significado universal excecional.”

Pela Universidade de Coimbra – Alta e Sofia passaram vários escritores e divulgadores da língua e da cultura, constituindo-se como uma importante oficina literária e centro difusor de novas ideias. Sendo a única Universidade em todo o espaço geográfico de administração portuguesa, a sua importância é inegável no que diz respeito à expansão, constituição e unidade da língua portuguesa, e também à formação de elites e de movimentos de resistência e contestação ao poder.
Pelos cantos do mundo retoma-se esta história e são muitos os estudantes universitários que influenciam e se deixam influenciar culturalmente. Desta forma, mantém-se viva a troca de ideias e de conhecimentos.

Para além dos critérios em que se enquadra, foram-lhe reconhecidos 17 atributos que justificam e dão sentido à classificação da Universidade de Coimbra – Alta e Sofia a Património Mundial da Humanidade. Entre eles se destaca o facto de estarmos perante uma das mais antigas universidades da Europa, sendo uma universidade de tradições académicas seculares que participou na formação do Estado Português.


Núcleos

A área Património Mundial divide-se em quatro grandes núcleos arquitetónicos e históricos que correspondem a momentos de criação, desenvolvimento, reestruturação e consolidação da UC:

1                -   Colégios da Rua da Sofia (onde a história começou);
2              -  Pátio das Escolas, o coração da Universidade de Coimbra (o palácio passou de território do poder a território de outro poder – o conhecimento);
3           - Edifícios da Reforma Pombalina, edifícios com marcas da revolução do conhecimento no século XVIII, da porta férrea à Rua Larga;
4                - Complexo do Estado Novo, face da mudança da Alta de Coimbra.


A Universidade de Coimbra (– Alta e Sofia) prima pela história e pela tradição, pela qualidade e pela excelência. De Coimbra para o mundo, Património Mundial da Humanidade que jamais será esquecido. 

E para o relembrar, encontramo-nos no Penedo da Saudade. Venham daí!

Por
Catarina Elias e Natacha Roxo

Repúblicas em Coimbra

As Repúblicas integram uma das muitas tradições de Coimbra visto que fazem parte da história da cidade desde o século XIV e reúnem também em si uma riqueza que tem atravessado as décadas nos aspetos mais variados da vivência humana. São vinte e oito as repúblicas existentes, todas elas diferentes, com o objetivo primordial de união, irreverência e comunidade. 


Será que as pessoas gostavam de viver numa república? Inquirimos 45 pessoas a fim de tentar percebê-lo.

À conversa com Zita Moura, moradora na República dos Kágados, tentámos perceber um pouco mais sobre o funcionamento da mesma.

A Alimentação Nos Nossos Dias

A Arte na Cozinha

O culto do belo chegou às nossas mesas e a comida já não é vista como uma necessidade física. Sem deixar o seu carácter cultural e sociológico a comida adquiriu também um lugar no mundo da criatividade onde a imaginação não pode faltar.

Prato do Chefe Gordon Ramsay

Há alguns anos atrás seria impensável que pudéssemos encontrar os mais diversos tipos de cozinha em Portugal. No entanto, hoje basta uma ida até um centro comercial para encontrarmos ao nosso dispor sabores dos quatro cantos do mundo, já não precisamos de ir até ao Japão para comer Sushi, ou atravessar o atlântico para uma boa picanha com feijão. (Por essa evolução podemos agradecer, em parte, à globalização.)
Se antigamente a alimentação era apenas olhada como uma necessidade básica na pirâmide denecessidades de Maslow, é inegável que hoje a gastronomia é muito mais que isso retendo em si o carácter sociológico e cultural. A gastronomia continua a ser um reflexo de cada cultura e como tal vai evoluindo e tomando novas características. Para além de nos aproximar de toda a diversidade a nível mundial a gastronomia hoje é também olhada como uma arte.
O culto do belo chegou às nossas mesas, onde a tela é o prato e o cheff o artista. O sucesso de um prato deixou de estar só dependente da sua confecção ou sabor, mas agora outros critérios são utilizados para valorizar e ao mesmo tempo avaliar a sua concretização. A apresentação é sem dúvida um dos principais critérios que tem vindo a ganhar território na cozinha ao longo do tempo e passa também por ser a assinatura de um cheff.

Programa "MasterChef"
Mas desengane-se quem pensa que apenas pessoas formadas na área fazem parte do mundo da culinária. O tema gastronomia nunca esteve tão em voga e para além do crescimento das “cozinhas de requinte” também os chamados “ chefes amadores” passaram a ser uma peça fundamental na evolução do conceito de gastronomia. Basta apenas abrir um jornal ou ligar a televisão para ver como o tema passou a ser um negócio. Vemos programas de televisão que visam encontrar talentosos cozinheiros amadores, como o mundialmente famoso Master Chef ou mesmo se entrarmos no mundo da internet descobrirmos inúmeros blogs cujo assunto principal é a culinária e onde na sua maioria são administrados por “curiosos da cozinha”. O YouTube também passou a ser uma grande fonte de informação para os entusiastas, onde um mundo de receitas pretende dar resposta a todos os gostos e paladares. 


O leque de escolhas é vasto, desde programas de autor onde o assunto é a comida, aos programas de competição e entretenimento, das colunas dedicadas ao tema em diversos jornais, dos livros editados, aos canais que existem exclusivamente pela culinária, até às aplicações para smartphones; o universo da gastronomia já não esta apenas confinado às quatro paredes de uma cozinha.

Canal Televisivo 24 Kitchen


Para quem ainda pensa que a culinária se baseia apenas no sabor da comida que se desengane. “Os olhos são os primeiros a comer”, o prazer que nos é conferido através da comida passa não só pelo que comemos mas também pelo que vemos. Tal como uma obra-prima a comida transmite-nos sensações e elas têm sido o grande mote para a evolução da gastronomia como uma arte e não apenas como uma necessidade fisiológica. Mantendo o seu carácter cultural e sociológico a comida adquiriu também um lugar como forma e produto de criatividade onde a imaginação não pode faltar.